Acólitos da Paróquia de São Bartolomeu

1. O grupo actual
2. Oração do Acólito
3. Formação de Acólitos
4. Mandamentos do Acólito
5. Nomeação de Acólitos

 

Grupo actual

·         Catarina de Fátima Crispim Cordeiro

·         Filipe Miguel Baptista Lopes

·         Joana Frade Estrompa

·         Joana Trindade Almas

·         Mário Filipe Caritas Carapinha

·         Sara Cristina Simões Fitas

 

Oração do Acólito

Senhor Jesus Cristo,

sempre vivo e presente connosco,

tornai-me digno de Vos servir no altar da Eucaristia,

onde se renova o sacrifício da Cruz

e Vos ofereceis por todos os homens.

Vós que quereis ser para cada um

o amigo e o sustentáculo no caminho da vida,

concedei-me uma fé humilde e forte,

alegre e generosa,

pronta para Vos testemunhar e servir.

E porque me chamaste ao vosso serviço,

permiti que vos procure e vos encontre,

e pelo sacramento do vosso Corpo e Sangue,

permaneça unido a Vós para sempre. Ámen.

 

Formação de acólitos

 1. "As cores litúrgicas"

2. O ano litúrgico

3. Os livros litúrgicos

 

Mandamentos do Acólito

1- Ser responsável e assíduo. Este é o Mandamento Principal do Acólito. Deve ser uma pessoa altamente responsável com o serviço que exerce. Deve ter um cuidado especial com todos os objectos litúrgicos que manuseia. Quando for escalado para uma celebração não deve de maneira alguma faltar. Deve também ser pontual não só para as celebrações mas também aos Encontros de acólitos pois, para servir no Altar, não basta estar no Grupo dos Acólitos, é preciso também respeitar este e os outros mandamentos...

2. Ser disponível. O Acólito exerce um Ministério na Igreja. Ou seja, faz um serviço que nenhuma outra pessoa é capaz ou está autorizada a fazer. Por isso, quando o acólito for escalado para alguma celebração, deve prontamente dar o seu SIM. Caso contrário, ele e a comunidade perdem com a sua falta. Apenas se já tinha um outro compromisso indispensável está dispensado mas deve arranjar quem o substitua.

3. Ser atencioso. Acolitar significa servir, no nosso caso; servir no Altar durante a celebração da Santa Missa. Desta forma, o acólito deve estar atento a todas as necessidades do Celebrante no decorrer da Celebração. Para isto é necessário conhecer as partes e os elementos da Missa para exercer bem o seu serviço.

4. Ter um comportamento exemplar. O acólito, pela sua função no Altar, é uma pessoa contemplada pelos olhos de toda a comunidade. Por isso, automaticamente, ele torna-se uma espécie de modelo de cristão orante para todas as pessoas da comunidade. Assim sendo, o acólito deve honrar este grande papel comportando-se dignamente.

5. Ter cuidado com a roupa, a postura e os gestos. O acólito tem especial obrigação de cuidar estes três pontos. A roupa deve ser digna, nas reuniões devemos evitar roupas curtas ou impróprias para o ambiente da Igreja. Quanto às celebrações, então muito mais!!! Aí deve ser o mais discreto e composto possível assim como a postura e os gestos devem ser condizentes com o Ministério do Acólito. O acólito deve evitar estar sempre a passar a mão pelo cabelo, pela face ou pelo corpo. Sobretudo porque manuseia objectos que possuem o Corpo e o Sangue de Jesus que é alimento para toda a comunidade. Quanto aos gestos evitar aqueles desordenados ou indecorosos.

6. Ser estudioso. O acólito é uma pessoa diferente, que tem de ser exemplar em tudo o que faz. Inclusive na escola. Por isso, para servir no Altar o acólito deve ser bom aluno. Até pode ser suspenso por mau desempenho escolar se este é por descuido... Mas também deve estudar e conhecer bem o seu serviço. E procurar saber cada vez mais sobre ele.

7. Considerar e honrar a sua Família. O acólito deve ser exemplar também no seio da família. Do bom relacionamento familiar depende mesmo a saúde do acólito. Por isso, deve ser aqui também digno de louvor.

8. Respeitar todas as pessoas. O mundo em que vivemos não se limita à família, à escola ou à igreja. Por isso, e porque precisamos todos uns dos outros, devemos respeitar os outros e ser decentes e bem-educados no trato.

9. Ser um amigo leal e verdadeiro. Uma das grandes qualidades do acólito é passar seus conhecimentos aos acólitos mais novos. Dentro do grupo de acólitos deve subsistir uma amizade profunda e verdadeira. Devem evitar-se chatices e mal-entendidos; nunca devia haver zangas de nenhum tipo!

10. Nunca esquecer a oração. Este é o principal Mandamento do acólito. A oração é o combustível que dá energia ao cristão. E muito mais ao acólito! Através da oração mantemos uma relação íntima com Deus nosso Pai. Não devemos desperdiçar nenhum minuto propício para a oração. Podemos rezar em qualquer lugar, sozinhos ou acompanhados. Mas sem esquecer que a maior e mais perfeita oração que o Acólito pode fazer é servir na Santa Missa.

Nomeação dos Acólitos 

1.     Os ritos iniciais e a liturgia da palavra, até ao Evangelho inclusive, fazem-se como de costume.

2.     Proclamado o Evangelho, o pároco senta-se na cadeira presidencial e con­voca os candidatos, dizendo:

Aproximem-se os que vão ser nomeados acólitos.

E chama-os um por um pelos seus nomes. Cada um responde: Presente.

E aproximam-se do pároco, voltando depois para os seus lugares.

3.     O pároco faz a homilia, como de costume, na qual explica ao povo os textos lidos da Sagrada Escritura e o serviço que os acólitos realizam na celebração da Missa, servindo o presidente e o altar, podendo terminar com estas palavras ou outras semelhantes:

Queridos candidatos a acólitos:

Daqui por diante ides ajudar o vosso pároco e os outros sacerdotes na celebração da Missa, bem como nas demais celebrações litúrgicas, sobretudo apresentando-lhes o missal e servindo-os no que for preciso quando eles estiverem no altar, e ao distribuírem a Comunhão aos fiéis.

Procurai, vós próprios, participar com muita fé na celebração da Missa, descobrindo o sentido íntimo daquilo que realizais, e oferecen­do-vos todos os dias a Deus para servir a Jesus Cristo com a maior dedicação.

Como ides servir ao altar, onde o pão e o vinho se tornam o Corpo e o Sangue de Cristo, estai sempre preparados para receber a sagrada Comunhão, para a qual Jesus nos convida ao dizer: «Tomai, todos e comei; tomai todos e bebei».

Amai muito a vossa comunidade paroquial, e estai ao seu servil com alegria e disponibilidade, e vivei segundo o mandamento que t) Senhor deu aos seus discípulos na última Ceia, ao dizer-lhes: «Ainai-vos uns aos outros, como Eu vos amei»

4.     Terminada a homilia, os candidatos avançam até perto do pároco e ajoelham-se diante dele. O pároco interroga-os acerca das suas disposições:

Quereis, como membros do Grupo de Acólitos, servir esta paróquia na sua Liturgia, sobretudo na celebração da santa Missa?

Os candidatos respondem: Sim, quero.

O pároco:

Quereis comprometer-vos a realizar o vosso serviço de acólitos nos domingos e festas que vos forem indicados?

Os candidatos respondem: Sim, quero.

O pároco:

Quereis dar bom testemunho de Jesus Cristo, na vossa família, na escola e em toda a parte, sendo amigos de toda a gente e apóstolos dos outros jovens?

Os candidatos respondem:

Sim, quero, com a ajuda de Deus.

O pároco:

Uma vez que manifestais esses propósitos, trazei-me as túnicas que ireis usar no exercício das vossas funções.

5.     Os candidatos vão buscar a túnica, o cíngulo e a pequena cruz de madeira com o seu cordão, e aproximam-se do pároco. Com eles aproximam-se também os que vão ajudá-los a vestir a túnica (por exemplo, o pai ou a mãe ou uma pessoa amiga escolhida por cada candidato). Os candidatos ficam de pé, com a túnica e as outras coisas nos braços, em gesto de apresentação. Todos os fiéis se levantam. Então o pároco diz:

Oremos.

Todos oram em silêncio durante algum tempo. Em seguida o pároco, de braços diz:

Bendito sejais, Pai santo,

que por vosso Filho Unigénito

sumo e eterno sacerdote da Nova Aliança

chamais alguns fiéis para servirem o vosso povo

nas suas celebrações litúrgicas.

(junta as mãos)

Fazei que estas túnicas, santificadas pela vossa o bênção,

sejam verdadeiro sinal da piedade destes jovens,

e os ajudem a aumentar a sua devoção.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,

que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amen.

6.     Aqueles que acompanham os candidatos, ajudam-nos a vestir a túnica, e apresentam-lhes a cruz, que eles beijam antes de a colocar por cima da túnica.

7.     Depois de revestidos com a túnica, o pároco, dirigindo-se aos candidatos, diz-lhes:

A partir de agora fazeis parte do Grupo de Acólitos da nossa paróquia.

A assembleia manifesta a sua alegria, cantando:

Graças a Deus.

8.  O pároco e os que acompanharam os jovens saúdam-nos com um abraço ou um beijo, e pode cantar-se um cântico apropriado, por exemplo:

REFRÃO

Senhor, Tu nos chamaste e nós vamos a Ti:

a tua palavra alegra a nossa vida.

ESTROFE

Queremos viver contigo, ao longo de cada dia:

dá-nos, Senhor, teu amor, dá-nos a alegria.

9.     Terminada a nomeação, a Missa prossegue na forma do costume. Diz-se o Símbolo bem como a Oração Universal. Nesta, inserem-se súplicas especiais pelos novos membros do Grupo de Acólitos.

10.    Na preparação dos dons, os novos acólitos distribuem entre si os vários serviços: um coloca o missal no altar, e outros apresentam sucessivamente ao celebrante o corporal, a patena com o pão, a píxide com as hóstias pequenas, o cálice e o sanguinho, as galhetas com o vinho e a água, dois o turíbulo e a naveta (se houver incensação), e três servem as lavandas (jarro com água, bacia e toalha).

11.    Os novos membros do Grupo de Acólitos, bem como seus pais e parentes, podem receber a Comunhão sob as duas espécies.

12.    Um ou vários acólitos acompanham o presidente e os ministros, extraordinários da Comunhão, segurando as bandejas.